Três Meses

O movimento de 32 foi organizado pelos mesmos líderes que estiveram à frente da Revolução de 30. Sua intenção: resgatar os valores que motivaram a derrubada da Velha República e implantar a normalização democrática do país.

Porém, com a precipitação do movimento em 9 de julho por São Paulo, o Governo Provisório, agiu rapidamente e contando com o recuo de alguns dos envolvidos na conspiração, desmantelou as lideranças de Santa Catarina, Minas e Paraná.

São Paulo ficou sozinho. Cercado pelas forças federais, o estado, na época, foi acusado por Getúlio, em transmissões de rádio, de separatista e de tentar impor os valores da Velha República. Isso nunca aconteceu, mas foi a única forma encontrada pelo Governo Provisório para justificar em todo o país o ataque armado contra as forças paulistas que permaneceram estacionadas nas divisas do estado esperando o apoio prometido e que nunca chegou.

A Revolução, que durou três meses, foi uma epopéia que mobilizou homens, mulheres, idosos e crianças por todo São Paulo e custou quase mil vidas.

A derrota do movimento de 32, que teoricamente se transformou em vitória com a Constituinte de 1934, tornou definitiva, com a implantação do Estado Novo em 1937, a maior verdade defendida pelos lideres revolucionários derrotados naquela ocasião: Getúlio queria governar sob regime ditatorial.

Os ideais da Revolução de 32 somente puderam ser alcançados pelo país em 45, com o fim da ditadura do Estado Novo.

É chegada à hora de se levar a sério o Movimento de 32. Aquela Revolução mostrou que toda vez que houver a tentativa de imposição ditatorial no país, haverá resistência profunda nos Estados mais desenvolvidos, aqueles que não se deixam controlar de maneira humilhante.

E São Paulo, embora sozinho, manteve firme sua palavra até o fim.